1 – INTRODUÇÃO

Há 61 anos, selei minha decisão de aceitar a revelação de Deus dada em Sua Palavra, a Bíblia, atendendo aos apelos do Espírito Santo que me havia convencido tanto do pecado, como da justiça e do juízo.

  • Do pecado, porque me havia levado a crer em Cristo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, nos perdoa e transforma nosso coração retirando-nos das trevas e levando-nos para a Sua maravilhosa luz.
  • Da justiça, porque me havia levado a compreender o Plano da Salvação, onde a justiça e a misericórdia se encontram no sacrifício de Cristo – o Messias prometido – cujo sangue foi derramado como o de uma vítima inocente, resgatando-nos de nossa vã maneira de viver.
  • Do juízo, porque me havia levado à certeza de que se aproximava o fim deste breve intervalo de tempo em decurso desde a queda do ser humano – originalmente criado perfeito por Deus – até a restauração de todas as coisas, e de que deveríamos “erguer a nossa cabeça, pois a nossa redenção está próxima”.

 

E sentia, ainda, que muitas coisas mais Deus tinha para me dizer, mas ainda não era o momento de serem reveladas por não ter chegado o tempo oportuno.

Passados esses 61 anos, creio ter sido providencial a oportunidade que se me apresenta agora, para – em breves palavras – render graças a este maravilhoso Deus Criador compartilhando com os leitores a percepção que dEle tenho tido, “como a luz da aurora que vai brilhando cada vez mais em direção ao dia perfeito” (Provérbios 4:18).