Resumo

Este artigo destaca alguns dos obstáculos que surgem quando a seleção natural, atuando sobre mutações aleatórias, tenta explicar a origem dos órgãos da visão no quase ilimitado número de criaturas hoje existentes na natureza. Os elementos essenciais na manifestação da visão foram sempre informação e inteligência, e não o acaso.

Introdução

O sentido da visão é uma das mais preciosas faculdades do ser humano, e em grande parte condiciona suas atividades e limitações. O mesmo acontece em todo o reino animal, e de fato determina em grande medida a própria sobrevivência dos animais. É importante, portanto, examinar os órgãos da visão, em busca de respostas a alguns dos questionamentos relacionados com a sua origem e a sua função. No que diz respeito às origens, existem somente duas teorias principais, situadas em extremos opostos: os vários tipos de olhos surgiram mediante alguma espécie de mecanismo evolutivo aleatório, ou eles foram projetados de maneira inteligente para satisfazer as necessidades dos vários organismos em seus respectivos nichos.

Darwinismo básico

O clima geral das ciências biológicas no Século XVIII e no início do Século XIX era de aceitação da criação especial, embora existissem vozes discordantes, que se tornaram mais audíveis com o surgimento das teorias geológicas de Lyell sobre a formação gradual das camadas de rochas sedimentares, em oposição ao catastrofismo e ao Dilúvio universal. Nessa época, Charles Darwin estava formando as suas idéias sobre os processos evolutivos, partindo de suas observações e experiências resultantes de sua viagem ao redor do mundo, durante cinco anos, a bordo do navio da Marinha Inglesa “Beagle”, e de suas investigações subseqüentes. Aos poucos foi ele desenvolvendo as bases de sua teoria sobre a sobrevivência do mais apto, para tentar explicar como poderiam surgir criaturas mais complexas a partir de outras mais simples. Este trabalho culminou com a publicação de seu livro “A Origem das Espécies”, em 1859, onde definiu ele a seleção natural da maneira seguinte:

Devido a esta luta pela vida, qualquer variação, embora pequena, e procedente de qualquer causa, se for de proveito para um indivíduo de qualquer espécie, em seu relacionamento infinitamente complexo com quaisquer outros seres orgânicos, e com o meio ambiente, tenderá à preservação daquele indivíduo, e será geralmente herdada pela sua descendência. Designei esse princípio, pelo qual é preservada qualquer pequena variação desde que seja útil, pelo termo Seleção Natural. (Darwin, 1979, p. 115).

Em seguida, descreveu ele o funcionamento da seleção natural da seguinte forma:

Pode ser dito que a seleção natural, dia a dia, e hora a hora, está perscrutando, ao redor do mundo, todas as variações, aí incluídas as mais insignificantes, rejeitando as más e preservando as boas, de forma aditiva. De maneira silenciosa e insensível esse trabalho se realiza sempre e onde houver oportunidade, com o aprimoramento de cada ser orgânico relativamente às suas condições de vida orgânica e inorgânica. (Darwin, 1979, p. 133)

Conclusão

Neste breve levantamento foram mencionadas numerosas dificuldades que confrontam as teorias evolutivas com relação ao olho, inexplicáveis pela seleção natural atuando mediante mutações aleatórias.

A seleção natural tem sido chamada de tautológica mesmo por alguns evolucionistas, e embora possa ter certo grau de validade no que diz respeito a variações genéticas de menor grau, ela é totalmente impotente quanto à macroevolução.

Torna-se evidente que os atuais conceitos da evolução orgânica não conseguiram explicar o notável planejamento e a capacidade dos órgãos da visão, desde a sensibilidade luminosa da ameba até a perfeição dos olhos da águia.